quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Vanishing Line é a melhor série da franquia Garo

Os personagens centrais da série animada (Foto: Divulgação)

Para a surpresa dos fãs da franquia do Cavaleiro Makai, a série animada Garo: Vanishing Line foi lançada no Brasil em meados de novembro pela Crunchyroll. Isso graças a sua parceria com a Funimation, outro canal de streaming que opera na América do Norte. Este é o terceiro título da franquia a vir para cá. Os filmes tokusatsu Garo: Red Requiem e Garo Gaiden: Flauta Secreta estão disponíveis via Netflix e são licenciados pela Sato Company (veja mais aqui). Até o momento foram exibidos 12 episódios de Garo: Vanishing Line na TV japonesa e o próximo tem previsão para ir ao ar nesta sexta, 12 de janeiro.

Diferente das duas animações anteriores Garo: The Animation (de 2014) e Garo: Crimson Moon (de 2015) que se passavam em eras antigas (inquisição espanhola e era imperial japonesa Heian, respectivamente), esta nova trama se passa nos dias atuais na fictícia Russel City. A cidade americana (baseada em Nova Iorque) ocupa secretamente um cenário de conspiração. Para combater o mal que domina a cidade sem a percepção dos cidadãos, Sword, um cavaleiro Makai, entra em ação para deter os ataques dos diabólicos Horrors ao vestir sua armadura dourada e assumir o codinome Garo. Sword encontra uma única pista sobre os Horrors: Eldorado. É a partir daí que sua missão toma um outro rumo ao encontrar a garota Sophie que também está atrás da mesma pista que pode ter relação com o desaparecimento de seu irmão.

Junto com Sword estão o seu inseparável anel mágico Zaruba, o amargurado alquimista Makai chamado Luke e a formosa guerreira Gina. Zaruba (leia na proparoxítona) serve como conselheiro de Sword e é capaz de captar a presença de Horrors. Porém não possui ligação com as outras versões do universo original da saga em tokusatsu.

Gina, a alquimista Makai
Já Luke é mais sensato que Sword e, apesar da boa parceria com o cavaleiro Makai, está quase sempre em desacordo com ele. É que Luke desaprova o envolvimento de humanos nestas missões sobrenaturais. Além de ser perito em armamentos de fogo, munições especiais e ainda poder apagar a memória das pessoas que viram Horrors, Luke carrega um terrível trauma de infância.

E Gina é uma ladra profissional e também alquimista Makai que trabalha eventualmente ao lado de Sword. Apesar de manter uma aparência de uma mulher manipuladora, esconde seus sentimentos pelo cavaleiro. É dona de uma formosura que chama atenção de Sword, que tem uma estranha reverência às "comissões de frente" de qualquer mulher de sua idade. Porém Gina carrega o bichinho Mia que se esconde em seus próprios seios e ataca Sword quando tenta assediá-la.

Em comparação com as séries tokusatsu, Garo: Vanishing Line consegue equilibrar a densidade da luta contra os Horrors com um pouco de alívio cômico, protagonizado pelo próprio Sword em sua tentativa de conquistar alguma mulher. A série tenta não apelar e consegue formar um elo consistente entre o herói e a adolescente Sophie. Uma relação entre irmãos. Após episódios iniciais isolados, a trama apresenta sua rota de fuga (sem trocadilhos) com a aparição dos vilões Horrors que escondem o segredo do tal Eldorado. A trama é envolvente e provavelmente é a melhor série de Garo até aqui. Mesmo não tendo o mesmo peso sombrio das demais produções da franquia, é ótima para assistir tarde da noite e assistir de uma vez em poucas sentadas. Porém não é uma produção tão leve.

Destaque para o JAM Project que mais uma vez bate ponto interpretando tema de abertura. Desta vez com a música "EMG". Curiosamente Masami Okui, a única mulher a integrar a banda, interpreta a belíssima canção "Sophia". Tema de encerramento do animê. E como não poderia ser diferente, Hironobu Kageyama, cantor de várias séries japonesas como Changeman, Maskman, Jetman, Os Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball, empresta mais uma vez sua voz ao anel Zaruba.

Se seguir o padrão das demais séries animadas, Garo: Vanishing Line irá fechar aos 24 episódios. Ainda estão previstos para o próximo cour (trimestre) a entrada dos novos temas de abertura e encerramento. "HOWLING SWORD" por Shuhei Kita e "Promise" por Chihiro Yonekura. Os próximos episódios prometem muitas surpresas com o desenrolar do mistério de Eldorado. Ótima série para quem ainda não acompanhou ou não assistiu a nenhuma das séries live action e animadas.

Garo: Vanishing Line é exibido no Brasil via Crunchyroll sempre com um novo episódios às sextas-feiras a partir das 16h23.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Na luta contra Jiren, vemos em Dragon Ball Super a diferença de técnica entre Goku e Vegeta

Vegeta durante seu embate contra Jiren (Foto: Reprodução/Crunchyroll)

Não é de hoje que percebemos a diferença de habilidade de Goku e Vegeta. Quem acompanha a franquia há longa sabe que além do temperamento de cada um existe o estilo de luta destes Saiyajins.

Goku gosta de treinar e é quase incansável. Não dispensa um bom adversário para superar/melhorar sua força. É um sujeito pacato, amigo de todos e sua única falha é a inocência/ingenuidade. Já Vegeta é orgulhoso e, mesmo sendo parceiro de Goku (e parecer não assumir isso), é um bom guerreiro. Antes era um assassino e hoje luta pela defesa da Terra. Seu forte temperamento é um ponto bem característico.

A diferença entre Goku e Vegeta é que eles são técnica e força, respectivamente. Duas habilidades distintas que fazem deles grandes guerreiros Saiyajins. Isso pode ser percebido no embate de cada um contra Jiren. Episódios atrás, Goku atingiu uma força sobre humana e despertou o Instinto Superior (acredita-se que seja em modo de ataque, como é do seu perfil). Existe tanto a possibilidade de Vegeta atingir esse mesmo poder quanto ser eliminado por Jiren. O que sabemos de fato é que Vegeta irá despertar um poder superior ao Super Saiyajin Blue, como foi mencionado neste domingo (7) no preview do próximo episódio de Dragon Ball Super. Possivelmente seja o Instinto Superior -- ou não.

Apesar dessas diferenças entre Goku e Vegeta, o primeiro leva mais vantagem por seu esforço e humildade. Mesmo que Vegeta consiga atingir o Instinto Superior, sua própria arrogância pode levá-lo à derrota. Tudo leva a crer de que seja isso mesmo. Uma vez que faltam pelo menos oito episódios (minutos?) para acabar o Torneio. E Jiren é o guerreiro do 11º Universo que tem tudo para ficar até o fim e enfrentar o Goku numa revanche.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Sakura Card Captors é arrastado e ainda consegue agradar

Sakura está de volta com episódios inéditos

O início dos anos 2000 foi importante na história dos animês no Brasil. Não ficamos órfãos desse tipo de programa após o fim da TV Manchete em 1999. Várias emissoras abertas e por assinatura aderiram a nova onda que começou com o sucesso de Pokémon, Digimon, Dragon Ball Z e tantos outros títulos que formaram o filão. Algumas franquias retornaram como Os Cavaleiros do Zodíaco, Yu Yu Hakusho e Sailor MoonFoi nesse período em que animês do estilo shoujo ganharam mais notoriedade do que nos anos 90. Ao lado de Serena e sua turma, outra série chamou atenção de boa parte do público infanto-juvenil e estará de volta à TV japonesa.

Sakura Card Captors estará de volta a partir desde fim de semana numa nova série. Cardcaptor Sakura: Clear Card é uma adaptação do mangá de mesmo título que está em publicação desde dezembro de 2016. Totalizando três volumes até o momento. A mesma dá continuidade à série clássica de animê/mangá.

Apesar do sucesso mediano, Sakura Card Captors nunca figurou entre meus animês favoritos. Mas sempre que podia eu acompanhava a trama no Cartoon Network e na Globo. Tudo era arrastado sim. Porém o romance era algo que de alguma forma prendia o público e cativava quem assistia. Mesmo que o espectador não tivesse compromisso algum com o horário. A busca de Sakura pelas cartas Clow era interessante. Ao mesmo tempo que dividia espaço para o dramalhão que era a paixão da garotinha de 10 anos por Yukito, um jovem com mais idade que ela. Tinha lá seus momentos sombrios. A verdade é que o animê era arrastado demais. Mas era justamente essas composições que faziam do desenho japonês um interessante clássico da CLAMP que marcou uma geração. Além dos excelentes traços e efeitos que enchiam os olhos de qualquer espectador.

A série original foi trazida para cá via Cloverway. Por pouco não vimos uma versão adulterada da Nelvana que colocou - vejam vocês - Shaoran como protagonista, ao invés de Sakura. (Hein???) Em tempo, Sakura Card Captors estreou no Brasil às 16h30 do dia 1 de novembro de 2000 na tela do Cartoon Network. Logo após Sailor Moon R que estreou também no mesmo dia e canal. Os temas de abertura e encerramento eram bem legais. Uma pena que não foram ao ar quando passou nas manhãs da Globo em 2001. Curiosamente outras séries shoujo passaram no mesmo horário de Sakura no Cartoon. Como a divertida Corrector Yui e a chata Super Doll Licca-chan.

A exibição de Cardcaptor Sakura: Clear Card está garantida no Brasil pelo canal de streaming Crunchyroll. Serão ao todo 26 episódios semanais.

Assista ao trailer oficial legendado:

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Ultraman vs. Hanuman: o encontro que gerou um grande problema para a Tsuburaya

Os seis Irmãos Ultra e a divindade Hanuman

Durante a história da Tsuburaya, uma das fases mais difíceis foi a parceria com o estúdio tailandês Chaiyo. Fruto de uma briga judicial que se arrastou por mais de dez anos e que teve seu fim em novembro passado. O símbolo desta parceria é de longe o constrangedor Ultra Roku Kyodai vs. Kaiju Gundan (Os Seis Irmãos Ultra contra o Exército de Monstros) que reuniu os heróis da Nebulosa M-78 e a divindade Hanuman.

Lançado em 26 de novembro de 1974, o filme contou a história de Koh um garoto que foi brutalmente assassinado por ladrões que roubaram a cabeça da estátua de Buda. Comovida com a bravura do garoto, a Mãe de Ultra convoca os seis irmãos Zoffy, Ultraman, Ultraseven, Ultraman Jack, Ultraman Ace e Ultraman Taro para transportar o corpo de Koh para M-78 e ressuscitá-lo como hospedeiro do deus-macaco Hanuman. Uma figura lendária que existe apenas na mitologia hindu.

Enquanto isso, a base Donuma Seven está prestes a testar um lançamento de foguetes. Donuma Seven é comandado pelo Dr. Wisut e ele conta com sua assistente Marissa e a dupla de pilotos Sipuak e Sisuliya. Ambos são bem bobocas e tentam fazer graça com atitudes bastante infantiloides, além de vestir uniformes da ZAT, o esquadrão anti-monstros de Ultraman Taro. Já a moça é um colírio para os olhos, porém sem muita utilidade para a trama.

A experiência com os foguetes foi catastrófica e isso despertou os kaijus Gomora (de Ultraman), Dustpan (de Mirrorman), Astromons, Tyrant e Dorobon (os três últimos são de Ultraman Taro). Após salvar Annan, o amigo de Koh, do perigo, Hanuman ressurge para impedir o ataque dos cinco monstros gigantes. Ao ser encurralado, os seis Irmãos Ultra aparecem para ajudar o novo companheiro e defender a Terra.

No longa de quase 2h de duração podemos ver cenas de séries e filmes antigos, trilhas sonoras (especialmente de Ultra Seven) e outros elementos da mitologia da Família Ultra reaproveitados. Um filme arrastado e que não causa a menor empolgação. Tem boas sequencias de ação, porém está longe da essência da franquia Ultra. Quase tudo é fraquíssimo e há situações improváveis como esmagar um bandido, mostrar cena de assassinato de criança, entre outras bizarrices. Ultra Roku Kyodai vs. Kaiju Gundan soou como uma desculpa pretensiosa para divulgar os Ultras como se fosse uma superprodução. Está anos luz de tal nível.

Ainda não é a produção mais constrangedora de todos os tempos, como os filmes orientais live action de Dragon Ball, por exemplo. Mas vale assistir pela curiosidade e como material de pesquisa sobre tokusatsu. Você não irá sentir saudades depois de conferir por si próprio. Muito menos a Tsuburaya que teve uma experiência constrangedora que ultrapassa a qualidade do filme. Tudo parecia acabar ali mesmo, mas este seria apenas o começo de uma grande dor de cabeça para o estúdio japonês.

Curiosamente no mesmo ano de lançamento desta bizarrice, a Chaiyo produziu Hanuman and the Five Riders, em parceira com a Toei Company. A divindade também se encontrou com os Riders Ichigô, Nigô, V3, Riderman e X. Mas isso é assunto para um outro post.

Ultra Roku Kyodai vs. Kaiju Gundan estreou no Japão apenas em 17 de março de 1979, semanas antes da estreia do animê TheUltraman. Série que marcou a volta temporária dos Ultras após o final de Ultraman Leo.

Fim da briga judicial em 2017

Capa do Laser Disc japonês do filme 
com destaquepara Ultraman Taro
Após a morte de Noburu Tsuburaya (segundo filho de Eiji Tsuburaya) em junho de 1995, o presidente da Chaiyo, Sompote Saengduenchai, afirmou no ano seguinte que havia um acordo firmado entre as empresas tailandesa e japonesa assinado cerca de 20 anos antes. Na ocasião foi apresentada uma carta com uma assinatura forjada, como se fosse do próprio Noburu Tsuburaya e com data de 4 de março de 1976. O suposto documento dizia que os direitos internacionais (com exceção do Japão) dos personagens da franquia Ultra até 1973 (ano de estreia de Ultraman Taro) foram transferidos para a Chaiyo.

A Tsuburaya afirmou que a tal carta era uma fraude e haviam evidências disso. O nome do estúdio japonês estava com grafia errada e Ultraseven foi referido como "Ultraman Seven". De acordo com os advogados da Tsuburaya, o sr. Noburu jamais erraria os nomes dos personagens. Apesar disso, a Chaiyo criou um seus próprios personagens baseados nos Ultras e inserido-os em shows, imagens promocionais e o famigerado filme tratado acima.

A disputa judicial pela marca Ultraman começou em meados de 2002 e atingiu o mercado ocidental, uma vez que o documento apresentado pela Chaiyo afirmava que os direitos de distribuição para outros países pertenciam a eles. O mais absurdo é que a Chaiyo afirmava que ela tinha parte da criação da franquia nos anos 60. O que todos sabemos que é uma falácia sem cabimento. Tal alegação teve como base uma visita que Eiji Tsuburaya fez na Tailândia e lá teria conhecido uma variedade de estátuas raras de Buda através de Saengduenchai e algumas dessas imagens serviria de inspiração para a criação do primeiro Ultraman. O fato é que a Chaiyo teve permissão oficial para negociação de merchandising de Ultraman na Tailândia e em mais cinco países da Ásia. Porém o presidente da Chaiyo diz ter sido prejudicado pela Tsuburaya e chegou a exigir uma carta de retratação numa determinada ocasião.

Em 20 de novembro deste ano, oito membros da corte jurídica de Los Angeles declararam por unanimidade que o tal contrato apresentado pela Tsuburaya não tem qualquer autenticação. Assim foram concedidos os direitos definitivos das primeiras séries Ultra para a Tsuburaya. Em outras palavras, séries como Ultra Q, Ultraman, Ultra Seven, O Regresso de Ultraman, Ultraman Ace e Ultraman Taro podem futuramente ser comercializadas fora do Japão para variadas mídias. Após esta longa e árdua batalha, a Tsuburaya conquista a vitória num ano bastante significativo/comemorativo que foi 2017.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Cancelamento de Ultraman Tiga pela Record é mais um mistério que jamais será desvendado

Marcelo Del Greco fala sobre o licenciamento de Ultraman Tiga (Foto: Reprodução/Jbox)

Neste fim de semana saiu a segunda e última parte da entrevista com Marcelo Del Greco ao canal Jbox. O jornalista - que passou pela revista Herói e atualmente está na Editora JBC - também foi responsável por parte do licenciamento de Ultraman Tiga no Brasil, como sócio da distribuidora Mundial.

Ultraman Tiga tinha tudo para continuar o legado das séries japonesas de tokusatsu na TV brasileira. Estava com mais pontos de audiência do que Pokémon (na época estava em sua segunda temporada por aqui) e tinha todo um material que estava sendo licenciado. Além de Ultraman Dyna e Ultraman Gaia, havia também planos de redublarem séries antigas como Ultra Seven e O Regresso de Ultraman e até o inédito Ultraman Ace. Na época em que Ultraman Tiga estava em exibição na Record, o filme Ultraman Tiga: A Odisseia Final também estava em exibição nos cinemas do Japão e estava nos planos da distribuidora para trazer nas telonas brasileiras.

O que não dá pra entender é o real motivo da saída do guerreiro da luz da TV faltando apenas quatro episódios para finalizar a série. Acredita-se por aí que Eliana tenha sido o pivô, pois a série era uma das atrações de seu programa na Record. Porém isso não foi mencionado. É um detalhe que cabe aos bastidores e talvez ela tenha estivesse insatisfeita com o material em seu programa. Por um lado, Ultraman Tiga era muito violento/sério/dramático para um programa com conteúdo mais "inocente". Merecia estar numa faixa jovem como umas 19h ou 20h. Por outro, a Record poderia dar uma chance ao herói colocando num horário justo e condizente ao enredo.

É claro que isso não dependia da Mundial nem do Marcelo. As emissoras de TV são soberanas nas decisões de horário. O que pode ajudar ou complicar no resultado final. O fato é que Ultraman Tiga é mais um mistério que não deverá ser desvendado tão cedo e não dá pra entender o cancelamento de uma série que tinha tudo para renovar público. Triste realidade.

O encontro de Tiga e Ultraman foi ao ar apenas na Rede 21

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

TV Diário comete os mesmos erros da Manchete e outros piores ao exibir Super Campeões

O craque Oliver Tsubasa

Desde o final de setembro a TV Diário - canal 22.1 de Fortaleza - exibe a reprise de Super Campeões, em sua versão clássica exibida na extinta Manchete, conhecida originalmente como Captain Tsubasa J. O momento coincidiu (ou foi proposital) com o aniversário de 20 anos de estreia no Brasil.

A exibição acontece de segunda à sexta no programa infantil(oide) Algodão Doce e vez por outra sofre uns erros na exibição como repetir um episódio exibido no dia anterior. Algo quase frequente no começo dos anos 90 quando a Manchete exibia reprises de Changeman, por exemplo. Até o momento foram exibidos os primeiros 28 episódios do animê e ao invés de continuar de onde parou, a série começa do início. Pra se ter uma ideia, Super Campeões voltou ao primeiro episódio nesta terça (19) e repetiu o mesmo nesta quarta (20).

Tem mais alguns erros. Só que esses a saudosa emissora carioca não cometia. Como fade in/fade out entre o momento em que aparece a palavra "tsuzuku" (つづく) e o encerramento. Uma edição desnecessária e que poderia rolar na íntegra. Sendo que a palavra japonesa que indica continuação às vezes nem aparece direitoOu mesmo o encerramento é cortado.

Fora outros cortes como episódio cortado minutos antes do encerramento e sequencia descompromissada aos sábado. Nesse dia da semana são exibidos dois episódios no seu Festival de Desenhos e curiosamente, em outubro, a TV Diário exibiu o mesmo episódio quatro vezes no mesmo dia. (!) Duas pela manhã e duas na reprise na madrugada.

Independente de ser ou não uma exibição oficial, a TV Diário deveria cuidar melhor de um animê tão legal como Super Campeões. Não dá pra dizer que a exibição é digna com essa sucessão de erros.

Atualização: Nesta quinta-feira (21) a TV Diário exibiu pela terceira vez consecutiva o primeiro episódio. Sabe-se lá o motivo por isso, mas alguém tem que revisar a ordem dos episódios antes de ir pro ar. Desta vez foi pra saturar o espectador.

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Ultraman Geed é de longe a melhor série tokusatsu de 2017 e supera Ultraman Orb

Ultraman Geed vai fazer muita falta

Falta apenas um episódio para fechar a saga de Riku Asakura e cia na TV japonesa (aqui no Brasil pode ser visto a qualquer hora via streaming pela Crunchyroll) e definitivamente podemos constatar que Ultraman Geed é a melhor série tokusatsu deste ano. Ultimamente as séries Ultra vem mudando alguns elementos, porém respeitando a essência que a franquia carrega desde 1966 com Ultra Q e Ultraman. Um dessas mudanças é a saída dos esquadrões anti-monstros (isso tinha que mudar uma hora ou outra e pode voltar num futuro próximo).

Desde a estreia em julho vimos que a série tinha potencial para superar Ultraman Orb, que foi uma ótima série formada por um número concentrados de personagens e deixou uma marca carregada de carisma e uma digníssima homenagem aos heróis. Ultraman Geed tem tudo isso e muito mais. A diferença é que a trama tem um lado sombrio que não cai numa densidade profunda como Kamen Rider Black, Garo, etc.

Isso sem mencionar o talento dos atores. Todos escolhidos a dedo. Tatsuomi Hamada cresceu desde sua participação no filme do Ultraman Zero e tem uma carreira promissora devido ao seu talento e ótima interpretação como Riku Asakura. Eu destaco alguns nomes como Yuuta Ozawa (Leito Igakuri), Chihiro Yamamoto (Laiha Toba) e Kunito Watanabe (Kei Fukuide). E as vozes de Megumi Han (Pega), Suzuko Mimori (Rem) e claro, Mamoru Miyano (Ultraman Zero). Tudo isso foi feito com primazia pelo roteirista Oitsuichi e a direção com competentíssimo Koichi Sakamoto (o mesmo de Space Squad) que deram um show.

Apesar de todo o trabalho, a sensação é de que alguns pontos deverão ficar pendentes para o filme do herói que estreia em março de 2018 - obviamente -no Japão. Um semestre inteiro já é o suficiente para contar história, mas é bom Riku dar um descanso para retomar o fôlego e quem sabe explorar sua origens em Okinawa.

O ano 2017 foi cheio para os fãs de tokusatsu e principalmente para a franquia Ultra que comemorou o cinquentenário de Ultra Seven - com direito a participação de Bin Furuya aqui no Brasil pela CCXP. Ultraman Geed é mais uma série que vai deixar saudades e é mais uma prova clara de que a Tsuburaya ainda tem muito trabalho pela frente.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Jiraiya arrebata gerações no Sana Fest e reacende a chama do tokusatsu

Takumi no palco do evento de Fortaleza

Treze anos se passaram desde a primeira visita do ator japonês Takumi Tsutsui ao Brasil para representar o maior sucesso de sua carreira: o ninja Jiraiya. De lá pra cá, Takumi passou por vários eventos em nosso país e sempre transmitindo simpatia, humildade e carisma. A presença dele é sucesso garantido por onde passa.

Demorou, mas aconteceu. Depois de muita insistência do público local, finalmente Takumi Tsutsui se apresentou em Fortaleza no terceiro e último dia da 11ª edição do Sana Fest, que aconteceu neste domingo (17). Originalmente acontecia no mês de janeiro, servindo com prévia do tradicional evento de julho, e a partir de agora o Fest passa a acontecer anualmente em dezembro. Takumi é o primeiro ator japonês de tokusatsu a vir à capital do Ceará. Sendo que ele é o quarto, considerando os três atores de Power Rangers que também estiveram recentemente. O primeiro foi Walter Jones (Zack, o primeiro Ranger Preto de Mighty Morphin Power Rangers) em janeiro de 2016, Jason Faunt (Wes, o Ranger Vermelho de Power Rangers Força do Tempo) em julho do mesmo ano e Steve Cardenas (Rocky, o segundo vermelho de MMPR e o azul de Power Rangers Zeo) em janeiro de 2017.

O ator entrou no palco Art & Fest cantando o tema de abertura da série Sekai Ninja Sen Jiraiya. Originalmente cantado por Akira Kushida, que já esteve no Sana em 2007 e em 2010. Entre muitos marmanjos que assistiram o clássico pela extinta Manchete entre 1989 e 1999, estavam também crianças e adolescentes que conheceram a série por causa da popularidade do ninja olimpíada no Brasil.

Takumi, que estava trajando um quimono parecido com o que Toha Yamashi (Toha Yamaji) vestia em Jiraiya, mencionou que agora faz 30 anos do início das gravações da série. No Japão, Jiraiya estreou em 24 de janeiro de 1988 e era exibido nas manhãs de domingo da TV Asahi. Pediu "desculpas" por ter envelhecido nesse tempo (cá pra nós: a mudança não foi tanta assim). Contou que também vestia a armadura olímpica nas gravações e que, segundo ele, "não protegia nada" e fazia muito calor no verão e que quase morria de frio durante o inverno. Sempre precisava de ajuda para vestir e tirar o traje. Até para ir ao banheiro havia dificuldades.


Com a simpatia de sempre, Takumi interage com o público

Ao som das BGMs que tocaram na série (produzidas por Kei Wakakusa, o mesmo compositor de Janperson, Blue SWAT, Robotack e Tomica Hero Rescue Force), o ator falou que por causa de Jiraiya, fez amizade com atores da franquia Metal Hero. Entre eles, Kenji Ohba, o Policial do Espaço Gavan. Ohba participou do episódio 27 de Jiraiya como Yajiro, um ninja que desafiou Toha ao vestir a armadura olímpica. Ele também amizade com Akira Senoo e Shouhei Kusaka. Respectivamente os atores que viveram Metalder e Jiban. Takumi disse que, se tudo der certo, quer trazê-los para Fortaleza. Akira Kushida também é um grande amigo.

O público fez perguntas e até declarações. Como uma criança que disse que conheceu Jiraiya por causa de seu pai. Takumi ficou surpreso por ter muitas crianças que são fãs dele. No Japão não tem isso. Teve até uma fã que pediu um "kiss me" e Takumi mandou carinhosamente a distância. Um jovem disse que Jiraiya serviu de inspiração em sua vida, pois, mesmo sem dinheiro, Toha vencia as adversidades. Isso lhe deu forças para trabalhar e amar mais as pessoas. Entre as perguntas, ele respondeu que faria novamente Jiraiya caso apareça alguma oportunidade. Tem expectativa quanto à uma possível participação numa sequencia de Space Squad, mas ainda não recebeu convite da Toei. E o episódio 22 de Jiraiya é o seu favorito. Aquele em que Kei ganha de Toha um vestido de presente para comemorar o aniversário de uma amiga e caiu na armadilha de Dokusai e sua Família de Feiticeiros.

Houve um momento de gincana onde cinco pessoas participaram para imitar a apresentação de Jiraiya. Um deles foi escolhido e ganhou uma revista (talvez uma Televi-kun da época, não tenho como precisar). Como prêmio de consolação, os outros participantes ganharam tecidos autografados pelo próprio Takumi.

A apresentação de Takumi Tsutsui terminou com ajuda do público cantando o tema de abertura em português (na primeira parte da música) e o autor cumprimentou rapidamente as pessoas que estavam em sua frente. Foram 40 minutos de muita alegria e que ficarão na memória de quem testemunhou a passagem do incrível ninja. O resultado constata que tokusatsu é rentável também em Fortaleza e pode ter divulgação ampliada. A experiência pode render a vinda de mais atores do gênero nas próximas edições. Assim esperamos.

O Brasil é praticamente a segunda casa de Takumi Tsutsui e as portas estão abertas para recebê-lo mais uma vez em Fortaleza.

Veja Takumi Tsutsui no início da apresentação:

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Ninguém vai sentir falta dos filmes Super Hero Taisen

Os últimos Riders da era Heisei

Saiu nesta quarta (13) um tweet do produtor Shinichirô Shirakura sobre a descontinuidade de Super Hero Taisen. A famigerada série de filmes da Toei que reúne as franquias Kamen Rider e Super Sentai na primareva japonesa. Quem assistiu sabe da bagunça que é. Fanservices malfeitos, situações forçadas, estratégias toscas, etc. Filmes como Super Hero Taisen GP: Kamen Rider 3 (2015) e Kamen Rider 1 (2016) são exceções e são recomendáveis.

A nota de Shirakura diz o seguinte:

"Nós não pretendemos fazer mais filmes de "primavera". O "Final" no título deste se refere a isso e concentrou esforços tantos para os filmes de inverno quanto para os de primavera. O filme de (Kamen Rider) Amazons é algo à parte, separada dos principais filmes Rider. Gostaríamos de trazer algo impressionante."

O "Final" que Shirakura se refere é ao filme Kamen Rider Heisei Generations Final: Build & Ex-Aid with Legend Rider, lançado no último fim de semana nos cinemas japoneses e que marca o fim da atual era imperial para os motoqueiros mascarados. Pelo que dá a entender, a Toei está abandonando esses formatos de filmes que vinha aderindo desde o começo da década. O filme de Kamen Rider Amazons é um caso isolado como foi explicado e servirá como desfecho da web-série.

Já era sem tempo da Toei mudar e fazer algo diferente. Mesmo com seus altos e baixos, Super Hero Taisen não passou de um circuito "caça-níquel". Alguns devem ficar felizes, outros nem tanto. Mas cá pra nós: foi uma série que não fará falta alguma. Quem sabe a Toei esteja preparando algo mais elaborado/inteligente para a próxima era.

Até aqui, a série de filmes Space Squad tem feito sucesso no Japão e, segundo declaração de Kenji Ohba (Gavan) na CCXP, terá continuação em 2018.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

O novo Super Campeões deveria ser uma história original

De tempos em tempos Oliver Tsubasa (Tsubasa Ozora) recomeça sua jornada para se tornar um jogador profissional. E isso irá acontecer mais uma vez a partir de abril de 2018 com o novo Super Campeões -- ou melhor, Captain Tsubasa. Será a quarta série animada da franquia para a TV japonesa. Desta vez com produção da David Production (mesmo estúdio de JoJo no Kimiyo na Bouken) e será exibida na TV Tokyo. Provavelmente será na faixa matinal de sábado ou de domingo. Curiosamente esta foi a mesma emissora que exibiu a versão original.

A primeira versão foi exibida entre 1983 e 1986, com produção da extinta Tsuchida Production e que tinha uma pegada infantil e trilha sonora eletrizante. Em 1994 surge Captain Tsubasa J pelo Studio Comet. Esta foi a versão exibida pela extinta Manchete entre 1997 e 1998. Em 2001 o Group TAC lança a série Captain Tsubasa: Road to 2002. Exibida por aqui via Cartoon Network e RedeTV!.

Para esta década que está quase no fim, Tsubasa ganha um novo começo. Nenhuma grande novidade à vista, a não ser pela atualização de animação e efeitos que irão ajudar a recontar a saga do craque japonês para o público infanto-juvenil de hoje. Há também indícios de que Lionel Messi, Cristiano Ronaldo e Manuel Neuer poderão dar as caras. Não deixa de ser oportuno para o ano de Copa do Mundo. Recentemente saiu um game da série para celular e isso seria pouco para dar sobrevida à franquia.

Isso não seria ruim, entenda. Super Campeões é sempre bem vindo e gosto da série. Mas seria legal ver uma continuação, nem que fosse uma história desvinculada do mangá de Yoichi Takahashi. Algo original, como será Megalobox, continuação de Ashita no Joe que está programado para o mesmo mês.

Em todo caso, só nos resta gritar: Fight Tsubasa!!!

Assista o trailer do novo Captain Tsubasa: